• nossa candidatura coletiva

    9 ativistas de diversas causas e territórios em uma campanha coletiva para Deputada Estadual: todas estarão juntas em um único número na urna para sacudir a Assembleia Legislativa de São Paulo.

     

    Como juntar 9 pessoas em um único número? Pela lei somente uma delas aparecerá na urna, mas todas ocuparão cargos no gabinete e construirão o mandato juntas, de forma coletiva e participativa!

    Mônica Seixas

    Co-candidata que aparecerá na urna!

    Mãe, jornalista, feminista negra e ativista socioambiental. Cofundadora do coletivo Itu Vai Parar e líder RAPS, é moradora da roça e foi candidata a prefeita pelo PSOL de Itu, no interior paulista, onde liderou a mobilização contra o desabastecimento d'água que durou quase um ano.

    Anne Rammi

    Co-candidata

    Artista, feminista e ciclista. Mãe de três e defensora da representação política das mulheres mães, integra movimentos pela proteção integral de todas as infâncias, erradicação da violência obstétrica e promoção da amamentação. Articulista do Mamatraca e criadora do Novos Diálogos da Escola Pública, é também conselheira participativa municipal na Vila Mariana, Zona Sul de São Paulo.

     

    "É urgente criar espaços de política verdadeiramente democráticos, horizontais, cuidados e colaborativos, com foco na valorização da vida."

    Chirley Pankará

    Co-candidata

    Indígena da etnia Pankará, pedagoga e mestre em educação pela PUC São Paulo. Coodenadora Geral do Centro de Educação e Cultura Indígena - Ceci Jaraguá. É especialista em educação escolar indígena e militante das causas dos povos originários.

     

    "Só existirão políticas públicas eficazes para povos indígenas quando estivermos representados e construirmos essas politicas nós mesmos."

    Claudia Visoni

    Co-candidata

    Jornalista, ambientalista e agricultora urbana. Trabalha pela agroecologia e contra os agrotóxicos, pelo manejo sustentável dos recursos hídricos e contra os resíduos. É articuladora de redes de permacultura, uma das fundadoras do grupo Hortelões Urbanos, do Movimento Cisterna Já e da União de Hortas Comunitárias de São Paulo.

     

    "Um futuro mais ecológico para a humanidade exige soluções ambientais que gerem trabalho, renda e contribuam para o fim da pobreza."

    Erika Hilton

    Co-candidata

    Transvestigênere, negra, estudante de Gerontologia na Universidade Federal de São Carlos, no interior paulista. Luta pelo direito à vida, dignidade e direitos sociais e humanos para todas as que são marginalizadas e excluídas pelo CIStema.

     

    "Travestis, mulheres e homens trans ocupando todos os espaços!"

    Fernando Ferrari

    Co-candidato

    Morador do Capão Redondo, na Zona Sul de São Paulo, pai e militante do Movimento Cultural das Periferias. Pelos direito humanos e contra o genocídio das juventudes pobre, preta e periférica. Está atuando pela construção participativa dos orçamentos públicos.

    Jesus dos Santos

    Co-candidato

    Nordestino, imigrante, militante da cultura e da comunicação popular nas periferias. Constroi o movimento negro, é morador da Zona Norte de São Paulo, conselheiro participativo municipal da Vila Maria e constroi a Casa no Meio do Mundo. Ajudou a impulsionar a Frente Única da Cultura SP contra o desmonte das políticas culturais na capital.

    Paula Aparecida

    Co-candidata

    Professora da rede pública estadual na Zona Norte de Sampa e conselheira estadual da APEOESP - Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo. Militante feminista, anti-capitalista, vegana e pelos direitos dos animais. Está na luta por uma educação de qualidade que rompa com o modelo de escola-prisão para os filhos de famílias de baixa renda, que valorize as profissionais da educação e que unifique professoras, mães, pais e crianças.

     

    "Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres." - Rosa Luxemburgo

    Raquel Marques

    Co-candidata

    Sanitarista mestre em Saúde Pública e Saúde Materno-Infantil, doutoranda em Medicina Preventiva pela Faculdade de Medicina da USP e ativista da saúde. Presidente da Associação Artemis, aceleradora social focada na promoção da equidade de gêneros e no ativismo pelo parto humanizado.

    "Precisamos exigir que as boas políticas já criadas funcionem adequadamente. A vida das mulheres importa."